Casa Brasileira

CASA SANGUSZKO CONVIDA

Trans-Atlantico

Com curadoria de Marta DziewanskaDieter Roelstraete e Abigail Winograd, a mostra foi organizada pelo Museu de Arte Moderna de Varsóvia em 2017, tendo passado pelo Garage Museum of Contemporary Art em Moscou em 2018.

A exposição examina um breve momento, embora historicamente significativo, na era pós-guerra, quando artistas da Europa Oriental e América Latina compartilharam um entusiasmo por Arte Cinética e Op Art. Essa tendência representou uma alternativa e um desafio para o consenso crítico da arte dominante no Atlântico Norte. Enquanto o Expressionismo abstrato, a Arte Informal e a Abstração lírica reinavam supremos nos centros de arte estabelecidos de Paris, Londres e Nova York, um capítulo distinto da história da arte estava sendo escrito, ligando os pólos de Varsóvia, Budapeste, Zagreb, Bucareste e Moscou com Buenos Aires, Caracas, Rio de Janeiro e São Paulo.

Uma rede de práticas artísticas foi forjada, seus artistas se comprometeram com um conjunto inteiramente diferente de questões estéticas surgidas no contexto de realidades políticas e econômicas análogas. O florescimento da Arte Cinética e da Op Art nessas regiões foi, em grande parte, uma manifestação de fascínio pelo movimento, seus efeitos estéticos e as oportunidades dinâmicas que gerou, criando novas possibilidades para o engajamento do público.

Desde modo, a mostra apresenta obras de mais de 40 artistas e coletivos vindos de ambos os lados do Atlântico, apresentados em uma narrativa que reflete fatos comuns entre seus interesses e intuição criativa.  Através de um foco em arte que ultrapassou objetos estáticos e definições claras do papel do artista, o caráter de uma obra de arte e o papel do espectador, a exposição tenta reescrever um capítulo marginalizado da história da arte após a Segunda Guerra Mundial através da uma perspectiva geopolítica diferente.

Em São Paulo, a mostra organizada pelo Sesc SP, em colaboração com o Museu de Arte Moderna da Varsóvia, com o Museu de Arte Contemporânea GarageInstituto Adam Mickiewicz e com a Casa Sanguszko de Cultura Polonesa, seleciona além das obras originalmente apresentadas em Varsóvia e Moscou, um maior número de obras de arte da América Latina, tendo contado com a colaboração da pesquisadora Ana Avelar.

Exibiçao

A partir de 9 de agosto 2018 no SESC Pinheiros  

Levante de Varsovia

 74 anos .......... se passaram....

A Revolta, Levante ou Insurreição de Varsóvia (em polaco Powstanie warszawskie) foi uma luta armada durante a Segunda Guerra Mundial na qual o Armia Krajowa (Exército Clandestino Polaco) tentou libertar Varsóvia do controle da Alemanha Nazi.

Teve início em 1 de agosto de 1944, às 17 horas, como parte de uma revolta nacional, a "Operação Tempestade", e deveria durar apenas alguns dias, até que o Exército Soviético chegasse à cidade. O avanço soviético no entanto foi interrompido, mas a resistência polaca continuou por 63 dias, até sua rendição às forças alemãs em 2 de outubro.

Embora o número exato de baixas permaneça desconhecido, estima-se que aproximadamente 16,000 integrantes da resistência polaca foram mortos e 6,000 gravemente feridos. Entre 150,000 e 200,000 civis morreram, a maioria vítima de massacres conduzidos por tropas do Eixo. As perdas alemãs totalizaram aproximadamente 16,000 soldados mortos e 9,000 feridos. Durante o combate urbano, perto de 25% dos prédios de Varsóvia foram destruídos. Após a rendição das forças polacas, as tropas alemãs destruíram sistematicamente, quarteirão a quarteirão, 35% da cidade. Juntamente com os danos provocados pela Invasão da Polônia em 1939 e o Levante do Gueto de Varsóvia em 1943, mais de 85% da cidade estava destruída em 1945, quando os soviéticos finalmente ultrapassaram suas fronteiras.

Monte Cassino-Czerwone maki na Monte Cassino..

74° aniversário da batalha de Monte Cassino

A Batalha e um simbolo de luta pela liberdade da Polonia, durante II Guerra Mundial, simbolo de heroismo e sacrificio. 

 

http://www.youtube.com/watch?v=Iab33qfDW-g 

Na musica vc ovi: (...) Papoulas vermelhas na Monte Cassino beberom sange de soldados poloneses no lugar do sereno(...)

fonte internet

(...)Czerwone maki na Monte Cassino zamiast rosy pily polska krew..(...)

3 de Maio

A Constituição Polonesa de 3 de maio de 1791 (polonês: Konstytucja Trzeciego Maja) é considerada a primeira moderna constituição nacional codificada da Europa assim como a segunda mais antiga no mundo. Foi instituída por Ato de Governo (polonês: Ustawa rządowa) aprovada naquela data pela Sejm (parlamento) da República das Duas Nações. Ela foi idealizada para reparar defeitos políticos há muito tempo existentes na federativa República das Duas Nações e sua Liberdade dourada. A Constituição introduziu a igualdade política entre as "pessoas comuns" e a nobreza (szlachta) e colocou os camponeses sob a proteção do governo, para desse modo atenuar os piores abusos da servidão. A Constituição aboliu perniciosas instituições parlamentares como, por exemplo, o liberum veto, que havia colocado a sejm a mercê de qualquer deputado que pudesse votar, ou ser subornado por um interesse ou força estrangeira, desfazendo toda a legislação que tivesse sido aprovada por aquela sejm. A Constituição de 3 de maio buscou suplantar a anarquia existente nutrida por alguns dos magnatas reacionários do país, com uma monarquia constitucional igualitária e democrática.

Jan Matejko

A adoção da Constituição de 3 de maio provocou uma reação de hostilidade por parte dos vizinhos da República. Na Guerra em defesa da Constituição, a Polônia foi traída pela sua aliada a Prússia de Frederico Guilherme II e derrotada pela Rússia Imperial de Catarina, a Grande, aliada com a Confederação Targowica, uma conspiração de magnatas poloneses que se opuseram às reformas que poderiam enfraquecer suas influências. Apesar da derrota e a subseqüente Segunda partição da Polônia, a Constituição de 3 de maio influenciou os movimentos democráticos posteriores no mundo. Permaneceu, após o desaparecimento da República em 1795, pelos próximos 123 anos das partições polonesas, um ideal a ser atingido na luta para se conseguir o restabelecimento da soberania polonesa.

fonte internet

2 de Maio

Dia da Bandeira e da Constituição Polonesa

No dia 2 de maio é comemorado o dia da Bandeira Polonesa e no dia 3 de maio, feriado nacional, é comemorada a Constituição Polonesa.

A bandeira da Polônia consiste em duas faixas horizontais de igual largura, a parte superior um branco eo vermelho inferior.

As duas cores são definidas na constituição polonesa como as cores nacionais.

Uma variante da bandeira com o brasão de armas no meio da faixa branca é legalmente reservado para uso oficial no exterior e no mar.

Uma bandeira similar com a adição de uma andorinha-cauda é usada como insígnia naval da Polônia.

Branco e vermelho foram adotadas oficialmente como cores nacionais em 1831.

Eles são de heráldica origem e derivam das tinturas (cores) dos brasões das duas nações constituintes da República das Duas Nações, ou seja, da Águia Branca da Polônia e do perseguidor do Grão-Ducado da Lituânia, um cavaleiro branco equitação um cavalo branco, tanto em um escudo vermelho.

Antes disso, soldados poloneses usavam cocares de várias combinações de cores.

A bandeira nacional foi adotado oficialmente em 1919.

Desde 2004, o polonês Dia da Bandeira é comemorado em 02 de maio.

a 75 anos.. Getto

O Levante do Gueto de Varsóvia foi um ato de resistência no Gueto de Varsóvia, na Polónia em 1943, contra a ocupação nazi alemã. Nessa altura já se tinham dado os transportes da maioria dos habitantes do gueto. Cerca de 300 mil das 380 mil pessoas no gueto tinham sido levadas para o campo de extermínio de Treblinka, onde foram assassinadas imediatamente após a sua chegada, no final do verão de 1942. Os restantes habitantes do gueto sabiam agora o que os esperava e muitos deles preferiam morrer lutando, em vez de morrer numa câmara de gás. A revolta foi esmagada pelo Gruppenführer da SS (então apenas Brigadeführer) Jürgen Stroop

Design Dialogue : Polônia Brasil em Curitiba

Mais uma cidade:

 

 

Curitiba, recebe Exposição de Dialogo Design: Polônia Brasil. Casa Sanguszko de Cultura Polonesa apoia o projeto desde 2016, Rio de Janeiro, Brasilia e São Paulo

A 8 anos.....

Em 10 de abril de 2010 um Tupolev Tu-154M do 36.º Regimento Especial de Aviação da Força Aérea Polonesa que transportava o presidente da Polônia, Lech Kaczyński, juntamente com membros do governo polonês e da Assembleia Nacional, comandantes militares bem como outros dignitários do país, se acidentou próximo à Base Aérea de Smolensk, nos arredores da cidade de Smolensk, na Rússia, matando todos a bordo. Os passageiros estavam se deslocando para um evento em memória do 70º aniversário do massacre de Katyn.

O acidente aconteceu a 1,5 quilômetro do aeroporto devido a condições de nebulosidade na zona. O governador do Óblast de Smolensk, Sergei Antufiev, confirmou para a cadeia noticiosa Rossiya 24 que não havia sobreviventes do acidente. O avião atingiu as copas de árvores, bateu no solo e caiu em múltiplos pedaços. A bordo também se encontrava o governador do Banco Nacional da Polónia, Sławomir Skrzypek, o chefe do exército polonês Franciszek Gągor e o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Andrzej Kremer

 

Sub-categorias