Feliz Natal

 

O Natal é, junto com a Páscoa, a festividade religiosa mais importante da Polônia. As suas tradições desenvolveram-se ao longo dos séculos, quando os costumes pagãos entrelaçaram-se com os que foram introduzidos pela Igreja. A sua forma foi influenciada também por outros ritos religiosos e tradições populares (o folclore). Atualmente o Natal tem caráter de uma festividade familiar e é comemorado principalmente junto com os entes mais próximos.

Advento – Na liturgia e nos costumes populares, o Natal é precedido por três semanas (quatro domingos) de espera, chamada Advento. Nesse período os fieis participam das “roraty”, missas dedicadas à Santíssima Virgem Maria. Antigamente, em algumas regiões do país, fazia-se coroas de galhos de pinheiro que eram suspensas no primeiro domingo do Advento sob o teto das casas e em cima das quais colocava-se uma vela acesa. Cada domingo acrescentava-se mais uma vela. Tradicionalmente, faz-se também pães de mel de Natal, enfeites para o pinheiro e envia-se cartões para os familiares e amigos. No período do Advento, no dia 6 de dezembro, acontece o dia de São Nicolau, quando as crianças ganham pequenos presentes, colocados nos sapatos ou embaixo do travesseiro. Durante todo o Advento até o dia dos Três Reis Magos (6 de janeiro), em algumas regiões da Polônia, nas aldeias pode ver-se os “gwiazdorzy” que andam de casa em casa cantando canções natalinas, declamando versos ou representando peças natalinas.

A Véspera de Natal (“Wigilia”) é tradicionalmente o dia que antecede o Natal e termina o período de Advento. Antigamente era uma preparação para as festividades. Nesse dia limpava-se a casa e decorava-se a com ramos de cereais, colocados nos cantos dos quartos. Eles simbolizavam prosperidade e abundância. Além disso, as casas eram enfeitadas com galhos de abeto ou pinheiro. O costume de enfeitar uma árvore apareceu na Polônia somente no século XVIII.

Tradicionalmente, o Natal começa após o escurecer, quando aparece “a primeira estrela”. É uma referência simbólica à Estrela de Belém, que anunciou o nascimento de Jesus para os três Reis Magos. A ceia, começa com uma oração e leitura de um fragmento do Evangelho de Mateus ou o Evangelho de Lucas, na parte que fala do nascimento de Jesus. Depois todos repartem entre si a hóstia “opłatek” desejando-se felicidades. Em cima da mesa, coberta com uma toalha branca, com feno embaixo, é colocado um prato a mais do que o número de pessoas. O lugar adicional à mesa natalina é para algum convidado inesperado ou alguma pessoa querida que esteja ausente. Pois diz-se que, nesse dia, ninguém deve estar sozinho.

“Opłatek” – O momento mais solene da ceia da Véspera de Natal é a divisão da hóstia e os desejos de felicidades. Esse costume remete à Última Ceia e repartição do pão entre Jesus e os seus discípulos. Na tradição da Igreja, a hóstia é um remanescente da tradição cristã antiga das eulógias – pães especiais que eram depositados na altar. Elas eram símbolo do amor e união dos cristãos e símbolo da união com Deus. Mais tarde, essas características foram absorvidas pela hóstia natalina, cujo costume surgiu no início do século XX.

Os pratos – Dependendo da região e das tradições familiares, o conjunto de pratos na ceia de Natal é diferente, porém, tradicionalmente deve haver na mesa todos os frutos da terra e os diferentes pratos devem ser doze. É necessário provar cada um deles para garantir a felicidade durante o ano todo. Os mais típicos são “barszcz z uszkami” (sopa de beterraba com massa recheada – para essa ocasião o recheio é feito só de repolho, cebola e cogumelos, e o caldo cozido só com verduras e cogumelos - em algumas regiões substituído por sopa de cogumelos, de frutas ou de peixe), peixes, preparados das mais diversas formas, começando pela mais tradicional carpa assada e carpa na gelatina, repolho com ervilhas, repolho com cogumelos, “pierogi” (pastéis cozidos) com repolho, “kasza” (grãos) com cogumelos, feijão com ameixas secas, salgados assados recheados com cogumelos, bolinhos de arroz com molho de cogumelos, macarrão com sementes de papoula, açúcar e mel, pães doces com suco de frutas secas cozidas, sopa de amêndoas, “kulebiak” (pastelão assado com recheio de repolho e cogumelos), “gołąbki” (enroladinhos de repolho com recheio de arroz) e “kutia” (um prato doce feito com grãos de trigo, papoula, amêndoas e passas de uva). De acordo com a tradição polonesa, os pratos não podem conter carne e nem gordura animal.

“Kolędy” – Um elemento muito importante das comemorações de Natal é o canto de “kolędy” (cantos natalinos). Na tradição polonesa existem centenas deles e os mais antigos remontam à Idade Média. Mas o seu maior desenvolvimento aconteceu nos séculos XVII e XVIII, quando surgiram os mais populares como “Wśród nocnej ciszy” (No silêncio da noite), “Lulajże, Jezuniu” (Nana pequeno Jesus), ou “Bóg się rodzi” (Deus está nascendo). Em algumas regiões da Polônia as casas são visitadas pelos “kolędnicy” que cantam cantos natalinos e desejam felicidades.

“Pasterka” – A noite da véspera de Natal é finalizada pela missa solene realizada à meia-noite nas igrejas. De acordo com a tradição, é para lembrar a chegada dos pastores em Belém, que foram os primeiros a homenagear o recém nascido Jesus. O costume da missa noturna foi implantado na Igreja no século V e chegou na Polônia junto com o cristianismo.

O dia seguinte, 25 de dezembro é chamado de primeiro dia de Natal e o dia 26 dezembro é o segundo dia de Natal, comemorado para homenagear São Estevão, o primeiro mártir do cristianismo.

fonte : internet