Tradições de Pascoa na Polônia

Tradições polonesas de Páscoa.

Antigamente a época da Páscoa, que era também o início da primavera, começava com uma grande faxina. Limpava-se e pintava-se as casas, fazia-se decorações festivas e enfeitava-se todos os cômodos da casa. Hoje em dia, continua o costume de fazer uma limpeza geral da casa antes da Páscoa e todos os moradores têm que participar.

Em todas as regiões do país enfeita-se ovos de Páscoa. Mas cada região tem o seu modo característico de fazê-lo. Os ovos são o símbolo da prosperidade e do renascimento da vida. Um elemento muito importante da Páscoa.

As comemorações começam no Domingo de Ramos, quando as pessoas levam na igreja as palmas feitas de galhos de salgueiro e decoradas com buxo e flores. Antigamente batia-se com a palma benzida cada um dos moradores da casa e depois guardava-se a palma atrás de um quadro ou em cima da porta para proteger a casa das tempestades e do fogo.

Em algumas regiões existe a tradição de “afogar o Judas”. Na quarta-feira da Semana Santa as pessoas pegavam um boneco feito de palha que simbolizava o Judas e arrastavam-no através da aldeia. Depois o apedrejavam, jogavam na água e afogavam.

Na Quinta-Feira Santa nas igrejas são retirados todos os objetos dos altares e os sinos calam até o momento da ressurreição.

Na Sexta-Feira da Paixão é realizada a Via Sacra. Nesse dia segue-se um rigoroso jejum. Nas antigas tradições, nesse dia enterrava-se o “żur” (sopa feita a base de levedura de centeio) e o arenque, alimentos típicos da época da Quaresma. Existia também o costume de pregar o arenque na madeira.

No Sábado de Aleluia, antigamente borrifava-se a casa com água em sinal de prosperidade. Queimava-se galhos de aveleira e suas cinzas espalhava-se pela terra na primeira lavoura para garantir uma boa safra. Nesse dia são benzidos os alimentos trazidos em cestas, enfeitadas com buxo e contendo os seguintes itens:

- o carneiro – símbolo de ressurreição de Jesús;

- o ovo – símbolo da vida que renasce;

- o pão – símbolo do corpo de Cristo, da prosperidade;

- a raiz forte – símbolo do sofrimento de Cristo;

- o sal – a verdade;

- o queijo – símbolo de reconciliação do homem com a natureza;

- o bolo – símbolo das habilidades.

Toda e qualquer tarefa doméstica, como limpeza ou preparação dos alimentos para a Páscoa, deve ser finalizada antes de benzer a cesta.

No Domingo de Páscoa é imprescindível que a mesa esteja coberta com uma toalha branca. No café da manhã são oferecidos tradicionalmente o “żur”, linguiça branca, patés, carnes assadas e presuntos. São importantes também os bolos, típicos da Páscoa, como o “mazurek” e a “babka”. Em algumas regiões acontece também o “coelhinho da Páscoa”, a procura por pequenos presentes escondido na casa, mas esse não é um costume tipicamente polonês e não é muito comum.

Na segunda-feira acontece o “śmingus-dyngus” ou Segunda-Feira de Páscoa, quando as pessoas ficam molhando-se mutuamente. Antigamente, o “śmingus” era quando apanhava-se com galhos de salgueiro. Para evitar isso, devia ser feito um pagamento em ovos de Páscoa, doces ou dinheiro e isso era chamado de “dyngus”.