Tradições de Pascoa na Polônia

Tradições polonesas de Páscoa.

Antigamente a época da Páscoa, que era também o início da primavera, começava com uma grande faxina. Limpava-se e pintava-se as casas, fazia-se decorações festivas e enfeitava-se todos os cômodos da casa. Hoje em dia, continua o costume de fazer uma limpeza geral da casa antes da Páscoa e todos os moradores têm que participar.

Em todas as regiões do país enfeita-se ovos de Páscoa. Mas cada região tem o seu modo característico de fazê-lo. Os ovos são o símbolo da prosperidade e do renascimento da vida. Um elemento muito importante da Páscoa.

As comemorações começam no Domingo de Ramos, quando as pessoas levam na igreja as palmas feitas de galhos de salgueiro e decoradas com buxo e flores. Antigamente batia-se com a palma benzida cada um dos moradores da casa e depois guardava-se a palma atrás de um quadro ou em cima da porta para proteger a casa das tempestades e do fogo.

Em algumas regiões existe a tradição de “afogar o Judas”. Na quarta-feira da Semana Santa as pessoas pegavam um boneco feito de palha que simbolizava o Judas e arrastavam-no através da aldeia. Depois o apedrejavam, jogavam na água e afogavam.

Na Quinta-Feira Santa nas igrejas são retirados todos os objetos dos altares e os sinos calam até o momento da ressurreição.

Na Sexta-Feira da Paixão é realizada a Via Sacra. Nesse dia segue-se um rigoroso jejum. Nas antigas tradições, nesse dia enterrava-se o “żur” (sopa feita a base de levedura de centeio) e o arenque, alimentos típicos da época da Quaresma. Existia também o costume de pregar o arenque na madeira.

No Sábado de Aleluia, antigamente borrifava-se a casa com água em sinal de prosperidade. Queimava-se galhos de aveleira e suas cinzas espalhava-se pela terra na primeira lavoura para garantir uma boa safra. Nesse dia são benzidos os alimentos trazidos em cestas, enfeitadas com buxo e contendo os seguintes itens:

- o carneiro – símbolo de ressurreição de Jesús;

- o ovo – símbolo da vida que renasce;

- o pão – símbolo do corpo de Cristo, da prosperidade;

- a raiz forte – símbolo do sofrimento de Cristo;

- o sal – a verdade;

- o queijo – símbolo de reconciliação do homem com a natureza;

- o bolo – símbolo das habilidades.

Toda e qualquer tarefa doméstica, como limpeza ou preparação dos alimentos para a Páscoa, deve ser finalizada antes de benzer a cesta.

No Domingo de Páscoa é imprescindível que a mesa esteja coberta com uma toalha branca. No café da manhã são oferecidos tradicionalmente o “żur”, linguiça branca, patés, carnes assadas e presuntos. São importantes também os bolos, típicos da Páscoa, como o “mazurek” e a “babka”. Em algumas regiões acontece também o “coelhinho da Páscoa”, a procura por pequenos presentes escondido na casa, mas esse não é um costume tipicamente polonês e não é muito comum.

Na segunda-feira acontece o “śmingus-dyngus” ou Segunda-Feira de Páscoa, quando as pessoas ficam molhando-se mutuamente. Antigamente, o “śmingus” era quando apanhava-se com galhos de salgueiro. Para evitar isso, devia ser feito um pagamento em ovos de Páscoa, doces ou dinheiro e isso era chamado de “dyngus”.

A confederação de Bar Konfederacja Barska

A confederação de Bar foi uma insurreição de patriotas poloneses contra a ingerência da Rússia em 1768.

Artur Grottger "Oração de Confederados de Bar antes de batalha de Lanckorona"

Um exército dirigido por Joseph Pulaski e Michel Krasinski se reuniu em Bar, na Ucrânia, a 70 km da fronteira do Império Otomano para defender "a fé e as liberdades". O porta-voz dos confederados é o padre carmelita Marek Jandolowicz. O movimento espalhou-se rapidamente pela Ucrânia. Frederico II da Prússia alegando razões de segurança, estabelece guarnições de segurança na porção polonesa da Prússia. Os russos fazem o mesmo no sudoeste do país. O general russo Souvorov captura a Cracóvia de assalto. O rei Estanislau II combate os confederados de Bar ou alia-se a eles, de acordo com as circunstâncias. Uma guerra civil se segue, acompanhada de uma revolta de camponeses; os camponeses ortodoxos massacram nobres e Judeus.

Usando do pretexto de uma violação da fronteira ao perseguir os revoltosos, o Império Otomano declara guerra contra a Rússia em outubro de 1768. Uma luta confusa se prolonga por quatro anos. A França intervém de favor dos confederados e lhes envia o coronel Charles François Dumouriez.

Em outubro de 1771, os confederados de Bar proclamam a queda do rei Estanislau II. Vencidos, deixam as armas em agosto de 1772 e não consegue evitar a primeira partilha da Polônia.

Escândalo na Polonia

Notícias atuais via Teraz Polska- Escândalo com o ex- presidente Lech Wałesa sacode a Polônia!

Um novo documento sobre a suposta colaboração do polonês Lech Walesa, chefe histórico do sindicato Solidariedade, com os serviços secretos durante o comunismo, foi encontrado pelo Instituto da Memória Nacional (IPN), indicou este organismo em seu site.

Trata-se de uma "folha de papel manuscrita" de 1974 que relata a conversa de um funcionário dos serviços secretos com "o colaborador secreto Bolek", nome em código que alguns historiadores atribuem ao ex-presidente polonês e Prêmio Nobel da Paz.

Esta folha forma parte de um pacote de documentos apreendidos na casa da viúva do general Czeslaw Kiszczak, falecido em 2015, que foi o braço-direito do ex-ditador comunista polonês Wojciech Jaruzelski. Em 2000, o Tribunal de lustração, responsável pela verificação da colaboração com os comunistas serviços de figuras públicas acordado com o ex-presidente e disse que os arquivos tinham sido falsificados por diante. Mas em 2008, o mesmo IPN tinha publicado um livro que avançaram a teoria de que Lech Walesa tinha sido um contribuinte ativo à SB 1970 para 1976, acusando-o, posteriormente, como presidente (1990- 1995), remove alguns dos atos diante. Este livro - co-escrito por um historiador PiS ultraconservadores próximos no poder - provocou um debate animado. Em 2011, a IPN reconheceu que os serviços comunistas falsificado documentos com a colaboração de Lech Walesa, para comprometer aos olhos da opinião pública e impedi-lo de obter o Prêmio Nobel. Mas este anúncio não removeu todas as dúvidas.

Lech ex- presidente polonês envia carta e pede a instituição para organizar uma reunião com os escritores e especialistas que lidam com o assunto assim. Bolek . Ele gostaria que participassem no aprox. 10-15 pessoas , incluindo Gregory Braun. A discussão seria registrada , e Walesa reserva-se o direito de remeter para as palavras das perguntas de chamadas e respostas . IPN acolheu favoravelmente esta proposta. - Tal discussão , debate de fundo poderia ser realizada no Instituto da Memória Nacional . Esperamos que o presidente vai referem-se essencialmente a publicação científica confiável baseado em muitos documentos. O debate pode ser interessante - diz o Dr. Charles Nawrocki de IPN O debate em março? Não se sabe ainda como chamar os especialistas, Walesa fará referência ha professores que analisoraram o livro dedicado a ele. Se eles concordarem, o IPN iria organizar um debate em março. - Vamos discutir se vamos cooperar com um moderador profissional. Nós teríamos que primeiro encontrar com as pessoas Presidente Walesa e os representantes dos autores do livro. Por agora é o cenário, mas os detalhes que queremos consultar com especialistas - tradutores Nawrocki. "Como Kargul digo bem-vindo para cima do muro" em "Die Welt" Walesa "envergonham o presidente." "Le Monde", escreve uma torção na direção do autoritarismo - "Eu não vou deixar " - Eu estava esperando que os historiadores, escritores vêm para a verdade. Eu ganhei todos os processos, mas há algumas questões por resolver. Espero que explicar isso, mas acontece que eles não fazem. Ou eles não podem ou não querem. Por isso, volto-me mais uma vez para provar. Todos os meus piores inimigos - por favor. Kargul como eu digo, bem-vindo à cerca - explicou sua carta, o ex-presidente. "Respeito pela verdade" Uma das pessoas que se refere a proposta Walesa é um historiador Slawomir Cenckiewicz, autor de três livros sobre o ex-presidente. Cenckiewicz escreveu no Facebook que iria concordar com uma reunião, embora Walesa "insultado ele e sua mãe uma centena de vezes." "E, a propósito proferidas tantas versões conflitantes de sua própria agenturalności que eu era uma vez forçado a emitir uma declaração sobre a incapacidade dos pobres homem de honra" - ela escreveu o historiador. "Eu concordo por causa do respeito pela verdade e as pessoas cujos ferido Walesa suas denúncias" Bolek "John Jasinski, Joseph Szyler ou Henryk Jagielski - onde" Bolek 'relatou expondo-os a represálias - talvez depois de anos olhar Walesa diretamente nos olhos! " - Lê. (Http://www.tvn24.pl/)

Jakub Iwaniuk (Varsóvia, correspondência)

Jornalista para o Le Monde

Henryk Sienkiewicz

Ano de Henryk Sienkiewicz

O Parlamento da República da Polônia decreta que 2016 sera o ano de Henryk Sienkiewicz. Em 2016, vamos celebrar o 170º aniversário do nascimento e os 100 anos da morte do escritor, também passou os 120 anos desde o lançamento do romance "Quo Vadis " , o que lhe trouxe fama internacional. Henryk Sienkiewicz foi o primeiro polonês homenageado com o Prêmio Nobel de literatura.

Tadeusz Kosciuszko - Aniversario

Tadeusz Kościuszko

General

Andrzej Tadeusz Bonawentura Kościuszko, também conhecido como Tadeu Kosciusko em português, foi um herói nacional da Polônia, general e líder da revolta contra o Império Russo em 1794, a qual recebeu seu nome.

Nascimento: 4 de fevereiro de 1746, Mereczowszczyznie (Polesie)

Falecimento: 15 de outubro de 1817, Soleura, Suíça

 

 

Tambem lutou na Guerra de Independencia dos Estados Unidos, participando como coronel no Exercito Continentalao lado de George Washington. 

Revolta de Janeiro 1863

A Revolta de Janeiro foi a mais longa insurreição polonesa contra a Rússia tsarista: começou em 22 de janeiro de 1863, e os últimos insurgentes não foram capturados até 1865. Começou com um protesto espontâneo por jovens poloneses contra o alistamento no Exército russo. A revolta foi logo apoiada por vários políticos e oficiais de alta patente polonesa do exército tsarista. Os revoltosos, logo cresceram em número e sem qualquer ajuda externa, foram forçados a recorrer à táticas de guerrilha. Os insurretos não conseguiram qualquer vitória militar importante e nem no decorrer da campanha, qualquer grande cidade ou fortificação foi recapturada na Polônia ocupada. A revolta conseguiu, contudo, sucesso em neutralizar o efeito da abolição pelo Tsar da servidão na partição russa, que tinha sido planejada para convencer os camponeses poloneses a não serem mais o suporte do restante da nação. As severas represálias contra os poloneses devido à revolta, tais como execuções públicas ou deportações para a Sibéria, levaram muitos poloneses a abandonar a luta armada e a retornar à ideia de "trabalho orgânico" - o auto-aperfeiçoamento econômico e cultural.

Inverno na Polônia...

Dezembro, na Polônia e começo de inverno. O pais tem um clima temperado continental, com um curto verão quente (esse ano temperaturas atingiram ate 38°C), e um inverno bastante duro ( a partir de meados de outubro a meados de abril) com temperatura mínima em torno de – 20°C) com uma precipitação de neve e longos períodos de geada. O clima e uniforme em todo o território com caráter continentais.  

Sub-categorias