Casa Sanguszko Convida

dia 16/8 - terça - 20h30
O jovem virtuose polonês Grzegorz Niemczuk apresenta obras de Richard Strauss, Bethoven, Mozart, Grieg e Chopin.

90min - 10 anos - Sala Jardel Filho (321 lugares)
R$10,00 - a venda estará disponível na bilheteria em seu horário de funcionamento (terça a sábado, das 13h às 21h30; e domingos, das 13h às 20h30)

Grunwald

A Batalha de Grunwald, também conhecida como Primeira Batalha de Tannenberg, ocorreu em 15 de Julho de 1410, opondo os exércitos Polaco-Lituano e seus aliados, aos exércitos da Ordem dos Cavaleiros Teutónicos. Foi a batalha que decidiu o desfecho das Guerras Polaco/Lituano-Teutónicas (1409-1411), e uma das maiores das que tiveram lugar na Europa medieval.

A derrota dos exércitos dos Cavaleiros Teutónicos nesta batalha fez com que a Ordem não mais lograsse recuperar a sua influência na região.

Noc Swietojanska

Está chegando a noite de São João. Na Polônia existem costumes milenares relacionados com este evento. A Noite de Kupała, chamada também de “sobótka” ou "kupalnocka", é uma antiquíssima tradição de todos os povos eslavos relacionada com o solstício de verão e comemorada durante a noite mais curta do ano, ou seja de 21 a 22 de junho. É a festa do fogo, água, sol e lua, prosperidade, fertilidade, alegria e amor, que acontece nas terras habitadas por povos eslavos, mas também outros povos bálticos, germânicos e celtas. São acesas fogueiras por cima das quais as pessoas pulam para, simbolicamente, limpar-se e proteger-se de todo mal e toda desgraça. São feitas diversas brincadeiras e adivinhações. As moças fazem grinaldas com velas acesas que são colocadas nos rios. Se a grinalda for pescada por um garoto, significa que ela casará logo; se continuar flutuando – ela casará, mas depois de um longo tempo; se a grinalda afundar, queimar ou atolar entre os juncos – o mais provável é que não conseguirá casar.

Em muitas regiões acreditava-se que, no período desde o equinócio da primavera até o solstício de verão, não era recomendado tomar banho em rios, córregos e lagos durante o dia. Já o banho tomado após o anoitecer ou antes do nascer do sol, curava diversos males, pois estava sob a influência mágica da lua.

 

 

 As comemorações da Noite de Kupała começavam com o

ascender do fogo ritualístico. Num lugar específico era enfiado no chão um pino de bétula e em cima dele era colocada uma roda de freixo com os raios embrulhados com palha besuntada de alcatrão. A roda era girada com tanta força, que pela fricção acabava ardendo. Então a roda era retirada e levada até as pilhas de madeira preparadas esperando para serem acesas.

Antigamente, os casamentos eram arranjados pelos mais velhos das famílias. A única maneira de conseguir um noivo que não fosse imposto, era na Noite de Kupała. As moças faziam grinaldas com flores e ervas de poderes mágicos e enfiavam nelas tochas acesas. Numa cerimônia com cantos e danças entregavam as grinaldas às ondas dos rios e dos córregos. Mais abaixo aguardavam os garotos que esforçavam-se para pegar as grinaldas. Quem conseguisse, voltava e ia até o grupo de moças para identificar a dona. Os casais, unidos desta forma, podiam ficar juntos sem temer estar ofendendo as tradições.

É também na noite mais curta do ano que, de acordo com a lenda, em cada floresta floresce uma única flor de samambaia - uma flor mágica, que mostra o caminho para encontrar tesouros e traz felicidade e riqueza. Somente uma pessoa jovem, honesta, trabalhadora e com outras virtudes tem chances de encontrá-la.

A igreja não mediu esforços para transferir estas festas para a noite de São João, de 23 para 24 de junho, tirando assim o seu caráter pagão.

Dialogo Design : Polônia Brasil

Casa Sanguszko convida

30/03/1611

30 março 1611 Poloneses ocuparam  Moscou, como únicos no mundo. E dia de libertação da ocupação polonesa (7 de Novembro de 1612) e um feriado na Rússia, desde 2005.  

Lany Poniedzialek

Smingus Dyngus

Na Polonia a segunda feira após a Pascoa ainda é feriado. E as pessoas costumam sair às ruas, molhando todos que encontram para atrair boa sorte, conhecido como śmigus-dyngus. Vale baldes de água, copos, esborrifadores entre outros. Tudo que possa ser fonte de água é atirada contro o outro porque diz a tradição que deve-se molhar o máximo possível o maior número de pessoas

Tradições de Pascoa na Polônia

Tradições polonesas de Páscoa.

Antigamente a época da Páscoa, que era também o início da primavera, começava com uma grande faxina. Limpava-se e pintava-se as casas, fazia-se decorações festivas e enfeitava-se todos os cômodos da casa. Hoje em dia, continua o costume de fazer uma limpeza geral da casa antes da Páscoa e todos os moradores têm que participar.

Em todas as regiões do país enfeita-se ovos de Páscoa. Mas cada região tem o seu modo característico de fazê-lo. Os ovos são o símbolo da prosperidade e do renascimento da vida. Um elemento muito importante da Páscoa.

As comemorações começam no Domingo de Ramos, quando as pessoas levam na igreja as palmas feitas de galhos de salgueiro e decoradas com buxo e flores. Antigamente batia-se com a palma benzida cada um dos moradores da casa e depois guardava-se a palma atrás de um quadro ou em cima da porta para proteger a casa das tempestades e do fogo.

Em algumas regiões existe a tradição de “afogar o Judas”. Na quarta-feira da Semana Santa as pessoas pegavam um boneco feito de palha que simbolizava o Judas e arrastavam-no através da aldeia. Depois o apedrejavam, jogavam na água e afogavam.

Na Quinta-Feira Santa nas igrejas são retirados todos os objetos dos altares e os sinos calam até o momento da ressurreição.

Na Sexta-Feira da Paixão é realizada a Via Sacra. Nesse dia segue-se um rigoroso jejum. Nas antigas tradições, nesse dia enterrava-se o “żur” (sopa feita a base de levedura de centeio) e o arenque, alimentos típicos da época da Quaresma. Existia também o costume de pregar o arenque na madeira.

No Sábado de Aleluia, antigamente borrifava-se a casa com água em sinal de prosperidade. Queimava-se galhos de aveleira e suas cinzas espalhava-se pela terra na primeira lavoura para garantir uma boa safra. Nesse dia são benzidos os alimentos trazidos em cestas, enfeitadas com buxo e contendo os seguintes itens:

- o carneiro – símbolo de ressurreição de Jesús;

- o ovo – símbolo da vida que renasce;

- o pão – símbolo do corpo de Cristo, da prosperidade;

- a raiz forte – símbolo do sofrimento de Cristo;

- o sal – a verdade;

- o queijo – símbolo de reconciliação do homem com a natureza;

- o bolo – símbolo das habilidades.

Toda e qualquer tarefa doméstica, como limpeza ou preparação dos alimentos para a Páscoa, deve ser finalizada antes de benzer a cesta.

No Domingo de Páscoa é imprescindível que a mesa esteja coberta com uma toalha branca. No café da manhã são oferecidos tradicionalmente o “żur”, linguiça branca, patés, carnes assadas e presuntos. São importantes também os bolos, típicos da Páscoa, como o “mazurek” e a “babka”. Em algumas regiões acontece também o “coelhinho da Páscoa”, a procura por pequenos presentes escondido na casa, mas esse não é um costume tipicamente polonês e não é muito comum.

Na segunda-feira acontece o “śmingus-dyngus” ou Segunda-Feira de Páscoa, quando as pessoas ficam molhando-se mutuamente. Antigamente, o “śmingus” era quando apanhava-se com galhos de salgueiro. Para evitar isso, devia ser feito um pagamento em ovos de Páscoa, doces ou dinheiro e isso era chamado de “dyngus”.

A confederação de Bar Konfederacja Barska

A confederação de Bar foi uma insurreição de patriotas poloneses contra a ingerência da Rússia em 1768.

Artur Grottger "Oração de Confederados de Bar antes de batalha de Lanckorona"

Um exército dirigido por Joseph Pulaski e Michel Krasinski se reuniu em Bar, na Ucrânia, a 70 km da fronteira do Império Otomano para defender "a fé e as liberdades". O porta-voz dos confederados é o padre carmelita Marek Jandolowicz. O movimento espalhou-se rapidamente pela Ucrânia. Frederico II da Prússia alegando razões de segurança, estabelece guarnições de segurança na porção polonesa da Prússia. Os russos fazem o mesmo no sudoeste do país. O general russo Souvorov captura a Cracóvia de assalto. O rei Estanislau II combate os confederados de Bar ou alia-se a eles, de acordo com as circunstâncias. Uma guerra civil se segue, acompanhada de uma revolta de camponeses; os camponeses ortodoxos massacram nobres e Judeus.

Usando do pretexto de uma violação da fronteira ao perseguir os revoltosos, o Império Otomano declara guerra contra a Rússia em outubro de 1768. Uma luta confusa se prolonga por quatro anos. A França intervém de favor dos confederados e lhes envia o coronel Charles François Dumouriez.

Em outubro de 1771, os confederados de Bar proclamam a queda do rei Estanislau II. Vencidos, deixam as armas em agosto de 1772 e não consegue evitar a primeira partilha da Polônia.

Escândalo na Polonia

Notícias atuais via Teraz Polska- Escândalo com o ex- presidente Lech Wałesa sacode a Polônia!

Um novo documento sobre a suposta colaboração do polonês Lech Walesa, chefe histórico do sindicato Solidariedade, com os serviços secretos durante o comunismo, foi encontrado pelo Instituto da Memória Nacional (IPN), indicou este organismo em seu site.

Trata-se de uma "folha de papel manuscrita" de 1974 que relata a conversa de um funcionário dos serviços secretos com "o colaborador secreto Bolek", nome em código que alguns historiadores atribuem ao ex-presidente polonês e Prêmio Nobel da Paz.

Esta folha forma parte de um pacote de documentos apreendidos na casa da viúva do general Czeslaw Kiszczak, falecido em 2015, que foi o braço-direito do ex-ditador comunista polonês Wojciech Jaruzelski. Em 2000, o Tribunal de lustração, responsável pela verificação da colaboração com os comunistas serviços de figuras públicas acordado com o ex-presidente e disse que os arquivos tinham sido falsificados por diante. Mas em 2008, o mesmo IPN tinha publicado um livro que avançaram a teoria de que Lech Walesa tinha sido um contribuinte ativo à SB 1970 para 1976, acusando-o, posteriormente, como presidente (1990- 1995), remove alguns dos atos diante. Este livro - co-escrito por um historiador PiS ultraconservadores próximos no poder - provocou um debate animado. Em 2011, a IPN reconheceu que os serviços comunistas falsificado documentos com a colaboração de Lech Walesa, para comprometer aos olhos da opinião pública e impedi-lo de obter o Prêmio Nobel. Mas este anúncio não removeu todas as dúvidas.

Lech ex- presidente polonês envia carta e pede a instituição para organizar uma reunião com os escritores e especialistas que lidam com o assunto assim. Bolek . Ele gostaria que participassem no aprox. 10-15 pessoas , incluindo Gregory Braun. A discussão seria registrada , e Walesa reserva-se o direito de remeter para as palavras das perguntas de chamadas e respostas . IPN acolheu favoravelmente esta proposta. - Tal discussão , debate de fundo poderia ser realizada no Instituto da Memória Nacional . Esperamos que o presidente vai referem-se essencialmente a publicação científica confiável baseado em muitos documentos. O debate pode ser interessante - diz o Dr. Charles Nawrocki de IPN O debate em março? Não se sabe ainda como chamar os especialistas, Walesa fará referência ha professores que analisoraram o livro dedicado a ele. Se eles concordarem, o IPN iria organizar um debate em março. - Vamos discutir se vamos cooperar com um moderador profissional. Nós teríamos que primeiro encontrar com as pessoas Presidente Walesa e os representantes dos autores do livro. Por agora é o cenário, mas os detalhes que queremos consultar com especialistas - tradutores Nawrocki. "Como Kargul digo bem-vindo para cima do muro" em "Die Welt" Walesa "envergonham o presidente." "Le Monde", escreve uma torção na direção do autoritarismo - "Eu não vou deixar " - Eu estava esperando que os historiadores, escritores vêm para a verdade. Eu ganhei todos os processos, mas há algumas questões por resolver. Espero que explicar isso, mas acontece que eles não fazem. Ou eles não podem ou não querem. Por isso, volto-me mais uma vez para provar. Todos os meus piores inimigos - por favor. Kargul como eu digo, bem-vindo à cerca - explicou sua carta, o ex-presidente. "Respeito pela verdade" Uma das pessoas que se refere a proposta Walesa é um historiador Slawomir Cenckiewicz, autor de três livros sobre o ex-presidente. Cenckiewicz escreveu no Facebook que iria concordar com uma reunião, embora Walesa "insultado ele e sua mãe uma centena de vezes." "E, a propósito proferidas tantas versões conflitantes de sua própria agenturalności que eu era uma vez forçado a emitir uma declaração sobre a incapacidade dos pobres homem de honra" - ela escreveu o historiador. "Eu concordo por causa do respeito pela verdade e as pessoas cujos ferido Walesa suas denúncias" Bolek "John Jasinski, Joseph Szyler ou Henryk Jagielski - onde" Bolek 'relatou expondo-os a represálias - talvez depois de anos olhar Walesa diretamente nos olhos! " - Lê. (Http://www.tvn24.pl/)

Jakub Iwaniuk (Varsóvia, correspondência)

Jornalista para o Le Monde

Sub-categorias