Oscar 2015

Ida (filme), do diretor de Pawel Pawlikowski, leva o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro. A longa polonês inaugura a estatueta para o país, que já teve dez indicações. 

fonte internet

 

..jovem de 67 anos..

ALEKSANDER DOBA - AVENTUREIRO DO ANO DE 2014!

O polonês foi escolhido por votação popular feita pela revista National Geographic.

"Se um jovem de 67 anos pode fazê-lo, você pode fazê-lo, também." - Aleksander Doba

11/02/2015 - Foi contabilizado um recorde de 521.000 votos no total.

Mas só pode haver um vencedor na Escolha Popular Adventurer of the Year, e o prêmio vai para Aleksander Doba. Com 67 anos, o aventureiro polonês fez a mais longa travessia de caiaque em águas abertas do Atlântico na história. Usando apenas a sua força dos braços e força de vontade considerável, Doba remou 7700 milhas em seu caiaque de 23 pés, OLO , partindo em outubro de 2013 a partir de Lisboa e chegada seis meses mais tarde, na Flórida. O engenheiro mecânico aposentado, agora com 68 anos, é a única pessoa de caiaque que atravessou o Atlântico, de continente a continente, sozinho, sem ajuda, e sob seu próprio poder. Ele lutou contra ondas de 30 pés e ficou preso no Triângulo das Bermudas. Suas habilidades de engenharia foram testadas outra vez.

Doba não está desligado do remo ainda. Na Primavera de 2016, aos 70 anos de idade, ele planeja tentar atravessar o Oceano Atlântico por caiaque novamente, desta vez a partir de Nova York e terminando na Europa.

fonte internet

 

A 70 anos..

Hoje o mundo lembra as atrocidades do nazismo, no aniversario de 70 anos da libertação do complexo de campos de conçentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau em 1945. Durante 5 anos (1940-1945) 1,5 milhão de pessoas de diferentes etnias  foram mortas, enrte judeus, prisioneiros de guerra, presos políticos, homens, mulheres,crianças e idosos. 

1863

Revolta de Janeiro

A Revolta de Janeiro foi a mais longa insurreição polonesa contra a Rússia tsarista: começou em 22 de janeiro de 1863, e os últimos insurgentes não foram capturados até 1865. Começou com um protesto espontâneo por jovens poloneses contra o alistamento no Exército russo. A revolta foi logo apoiada por vários políticos e oficiais de alta patente polonesa do exército tsarista. Os revoltosos, logo cresceram em número e sem qualquer ajuda externa, foram forçados a recorrer à táticas de guerrilha. Os insurretos não conseguiram qualquer vitória militar importante e nem no decorrer da campanha, qualquer grande cidade ou fortificação foi recapturada na Polônia ocupada. A revolta conseguiu, contudo, sucesso em neutralizar o efeito da abolição pelo Tsar da servidão na partição russa, que tinha sido planejada para convencer os camponeses poloneses a não serem mais o suporte do restante da nação. As severas represálias contra os poloneses devido à revolta, tais como execuções públicas ou deportações para a Sibéria, levaram muitos poloneses a abandonar a luta armada e a retornar à ideia de "trabalho orgânico" - o auto-aperfeiçoamento econômico e cultural.

IDA

Drama polones "Ida" filme sobre fantasmas de Holocausto. 

Filme indicato ao Globo de Ouro e integrante de pre-lista de nove candidados ao Oscar de filme estrangero.

Estreio nos cinemas no Brasil.

 

Zapusty

Zapusty é o nome polonês dado ao período do Carnaval que começa no dia dos Três Reis Magos e termina na terça-feira antes da Quarta de Cinzas. A tradição das comemorações carnavalescas foi trazida para a Polônia provavelmente pela rainha Bona, a princesa italiana que casou com o rei Zygmunt o Velho em 1518. Portanto as raízes das tradições são mediterrâneas e remetem aos cultos greco-romanos ao deus Dionísio ou Baco que deram origem aos bailes de máscaras de Veneza e aos festivais romanos – maccoletti.

Feliz Natal

 

O Natal é, junto com a Páscoa, a festividade religiosa mais importante da Polônia. As suas tradições desenvolveram-se ao longo dos séculos, quando os costumes pagãos entrelaçaram-se com os que foram introduzidos pela Igreja. A sua forma foi influenciada também por outros ritos religiosos e tradições populares (o folclore). Atualmente o Natal tem caráter de uma festividade familiar e é comemorado principalmente junto com os entes mais próximos.

Advento – Na liturgia e nos costumes populares, o Natal é precedido por três semanas (quatro domingos) de espera, chamada Advento. Nesse período os fieis participam das “roraty”, missas dedicadas à Santíssima Virgem Maria. Antigamente, em algumas regiões do país, fazia-se coroas de galhos de pinheiro que eram suspensas no primeiro domingo do Advento sob o teto das casas e em cima das quais colocava-se uma vela acesa. Cada domingo acrescentava-se mais uma vela. Tradicionalmente, faz-se também pães de mel de Natal, enfeites para o pinheiro e envia-se cartões para os familiares e amigos. No período do Advento, no dia 6 de dezembro, acontece o dia de São Nicolau, quando as crianças ganham pequenos presentes, colocados nos sapatos ou embaixo do travesseiro. Durante todo o Advento até o dia dos Três Reis Magos (6 de janeiro), em algumas regiões da Polônia, nas aldeias pode ver-se os “gwiazdorzy” que andam de casa em casa cantando canções natalinas, declamando versos ou representando peças natalinas.

A Véspera de Natal (“Wigilia”) é tradicionalmente o dia que antecede o Natal e termina o período de Advento. Antigamente era uma preparação para as festividades. Nesse dia limpava-se a casa e decorava-se a com ramos de cereais, colocados nos cantos dos quartos. Eles simbolizavam prosperidade e abundância. Além disso, as casas eram enfeitadas com galhos de abeto ou pinheiro. O costume de enfeitar uma árvore apareceu na Polônia somente no século XVIII.

Tradicionalmente, o Natal começa após o escurecer, quando aparece “a primeira estrela”. É uma referência simbólica à Estrela de Belém, que anunciou o nascimento de Jesus para os três Reis Magos. A ceia, começa com uma oração e leitura de um fragmento do Evangelho de Mateus ou o Evangelho de Lucas, na parte que fala do nascimento de Jesus. Depois todos repartem entre si a hóstia “opłatek” desejando-se felicidades. Em cima da mesa, coberta com uma toalha branca, com feno embaixo, é colocado um prato a mais do que o número de pessoas. O lugar adicional à mesa natalina é para algum convidado inesperado ou alguma pessoa querida que esteja ausente. Pois diz-se que, nesse dia, ninguém deve estar sozinho.

“Opłatek” – O momento mais solene da ceia da Véspera de Natal é a divisão da hóstia e os desejos de felicidades. Esse costume remete à Última Ceia e repartição do pão entre Jesus e os seus discípulos. Na tradição da Igreja, a hóstia é um remanescente da tradição cristã antiga das eulógias – pães especiais que eram depositados na altar. Elas eram símbolo do amor e união dos cristãos e símbolo da união com Deus. Mais tarde, essas características foram absorvidas pela hóstia natalina, cujo costume surgiu no início do século XX.

Os pratos – Dependendo da região e das tradições familiares, o conjunto de pratos na ceia de Natal é diferente, porém, tradicionalmente deve haver na mesa todos os frutos da terra e os diferentes pratos devem ser doze. É necessário provar cada um deles para garantir a felicidade durante o ano todo. Os mais típicos são “barszcz z uszkami” (sopa de beterraba com massa recheada – para essa ocasião o recheio é feito só de repolho, cebola e cogumelos, e o caldo cozido só com verduras e cogumelos - em algumas regiões substituído por sopa de cogumelos, de frutas ou de peixe), peixes, preparados das mais diversas formas, começando pela mais tradicional carpa assada e carpa na gelatina, repolho com ervilhas, repolho com cogumelos, “pierogi” (pastéis cozidos) com repolho, “kasza” (grãos) com cogumelos, feijão com ameixas secas, salgados assados recheados com cogumelos, bolinhos de arroz com molho de cogumelos, macarrão com sementes de papoula, açúcar e mel, pães doces com suco de frutas secas cozidas, sopa de amêndoas, “kulebiak” (pastelão assado com recheio de repolho e cogumelos), “gołąbki” (enroladinhos de repolho com recheio de arroz) e “kutia” (um prato doce feito com grãos de trigo, papoula, amêndoas e passas de uva). De acordo com a tradição polonesa, os pratos não podem conter carne e nem gordura animal.

“Kolędy” – Um elemento muito importante das comemorações de Natal é o canto de “kolędy” (cantos natalinos). Na tradição polonesa existem centenas deles e os mais antigos remontam à Idade Média. Mas o seu maior desenvolvimento aconteceu nos séculos XVII e XVIII, quando surgiram os mais populares como “Wśród nocnej ciszy” (No silêncio da noite), “Lulajże, Jezuniu” (Nana pequeno Jesus), ou “Bóg się rodzi” (Deus está nascendo). Em algumas regiões da Polônia as casas são visitadas pelos “kolędnicy” que cantam cantos natalinos e desejam felicidades.

“Pasterka” – A noite da véspera de Natal é finalizada pela missa solene realizada à meia-noite nas igrejas. De acordo com a tradição, é para lembrar a chegada dos pastores em Belém, que foram os primeiros a homenagear o recém nascido Jesus. O costume da missa noturna foi implantado na Igreja no século V e chegou na Polônia junto com o cristianismo.

O dia seguinte, 25 de dezembro é chamado de primeiro dia de Natal e o dia 26 dezembro é o segundo dia de Natal, comemorado para homenagear São Estevão, o primeiro mártir do cristianismo.

fonte : internet

 

Festa de São Nicolau

Dia 6 de dezembro e celebrada a festa de  São Nicolau.


Conta a lenda que três moças não poderiam se casar porque seu pai não tinha

condições de pagar seus dotes, na época, indispensáveis. Assim, a sorte das moças

estava lançada ao cruel destino de escravidão ou prostituição. São Nicolau,

comovido com a situação, jogou três sacos de moedas de ouro pela chaminé da casa

das moças. Os sacos caíram dentro das meias das moças que estavam secando

junto ao fogo da lareira.Costuma-se dependurar meias nas lareiras das casas no dia 5 de

dezembro à noite, véspera de São Nicolau,

fazendo orações. Costuma-se também colocar sapatinhos na janela,

para as crianças que não tem lareira. São Nicolau, durante a madrugada,

enche de doces as meias ou os sapatinhos das crianças que se

comportaram bem durante o ano.

Curiosidade

Estrelas..

Um dos mais importantes instrumentos de medição localizados na lander Philae , que , em 12 de Novembro de 2014,  posou em um cometa, é construído por cientistas poloneses MUPUS penetrador (sensores multiusos para superfície e subsuperfície Ciência ) . 14 de novembro , ele começou os estudos da cometa Czuriumow –Gerasimenko (analisar  propriedades térmicas)  na missão Rosetta , organizada pela Agência Espacial Europeia (ESA).


fot internet

 

Minha primeira vez..

Por muitos anos eu sonhava com a América do Sul e a oportunidade de apresentar as minhas interpretações musicais nesse continente. Essa terra muito distante me atraiu e me fascinou desde criança. Celebrava minhas viagens artísticas nos diferentes continentes, aguardando este sonho acontecer.  O destino, decidiu realizar tão esperada aventura  no final de 2014, e o primeiro  país  que me convidou-, foi o Brasil. Durante a estadia de duas semanas  realizei cinco  recitais de piano e dois  masterclass em duas  universidades. A organização desta turneê não seria possível sem a ajuda do Consulado Geral da Polônia em Curitiba, da Casa Sanguszko de Cultura Polonesa em São Paulo, da Sra Ludmila Pawlowski de Florianópolis e da Universidade de Silésia, em Katowice.

Foi um tempo especial: um grande público, a atmosfera mágica dos concertos (cada um terminava com ovações em pé, o que é muito comovente para o artista), perfeita organização, muitas experiências e impressões ....

Em Porto Alegre conheci  o Departamento de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Durante masterclass 5 alunos se apresentaram com as músicas de Haydn, Chopin, Liszt e A. Scriabin. As aulas foram muito proveitosas, interessantes e bem recebidas pelos participantes. A sala do concerto á noite estava lotada, e a atmosfera muito quente.

O próximo lugar que visitei foi Campos do Jordão. Fiquei hospedado em uma área montanhosa, em uma casa no haras ,,Polana”, em meio à vegetação deslumbrante. Fui  inspirado pela calma, ar puro, natureza extraordinária e sem precedentes (!) beija-flores ... O concerto na AMECampos foi especial em termos de atmosfera – numa pequena sala, foi possível estabelecer contato muito próximo com as pessoa da plateia. Campos do Jordão em si; me impressionou muito. Eu me senti um pouco como na Europa, nos Alpes. A arquitetura e atmosfera semelhante de uma cidade de montanha.

Outro ponto do passeio foi Curitiba - a maior concentração da comunidade polonesa no Brasil. A cidade está cheia de jardins e espaço verdes. Eu tive sorte com o tempo - dois dias ensolarados e quentes. O concerto foi realizado em Capela de Santa Maria - uma bela sala de concerto, que fora uma capela. 


Depois de Curitiba, chegou a hora de um show em São Paulo - Teatro Sergio Cardoso. Grande concerto anunciado com um pôster de seis pés ... - eu não havia tido ainda um anuncio tão grande..  em qualquer outra sala de concertos em que toquei!  A cidade em si foi um pouco esmagadora no  seu tamanho, mas não me assustou. Eu estive já em lugares semelhantes: Xangai, Nova Iorque, Singapura, Seul .... Com a ajuda do seu Grzegorz Mielec, da Casa Sanguszko, consegui  ver as principais atrações da metrópole, acompanhei um pouco o ritmo da cidade e olhei para ela do alto, de um dos edifícios do centro com a vista panorâmica.(Edifício Itália)

O último ponto da viagem foi o Florianópolis. Ilha mágica que combina o charme do oceano com as montanhas altas. Um lugar pitoresco com uma atmosfera mágica e clima tropical. Gostaria de ter tido mais tempo para descanso - porque é um lugar perfeito. Durante a minha estadia em Florianópolis  cuidaram de mim Ludmila Pawlowska, o marido Frederico e seus amigos, Pedro e Talita. Na Universidade Federal de Santa Catarina dei masterclasses (para três estudantes selecionados) foi também minha ultima apresentação  nesta viagem.

Eu nunca vou esquecer a minha primeira visita à América do Sul! O Brasil me recebeu maravilhosamente - me inspirei de mais, “me deu asas”  e super--motivou para continuar a trabalhar com minha arte. Reação do público, emoção, e os comentários e críticas após os concertos fortaleceram a minha fé no sentido da arte ( o que eu faço ), mostrando seu lugar insubstituível no coração dos pessoas. Estou muito feliz de ter a possibilidade de, com minhas próprias interpretações de Chopin, Paderewski, Szymanowski e Kilar, dar ao público brasileiro e polonês (comunidade polonesa) tanta alegria e emoção. Brazylio -- até logo!

 

Grzegorz Niemczuk

Turne do Grzegorz Niemczuk

Turne do pianista Grzegorz Niemczuk foi um grande sucesso. Artista apresentou se em Porto Alegre, Campos de Jordão, Curitiba, São Paulo e Florianopolis. O publico recebeu esse grande talento com aplausos e ovações. Grzegorz ficou emocionado com a recepção tam calorosa e espontãnea. A primeira visita no Brasil deixou ele com a vontade de voltar logo e desde ja estamos com planos para o ano 2015....

Sub-categorias